Blogdopa | Alta de Covid e gripe causa temor na volta às aulas presenciais da UnB

0
84

Volta às aulas da UnB será na próxima segunda (17/1). É esperado que 15% das turmas tenham alguma atividade presencia.

Acertada em novembro do ano passado, a volta às aulas na Universidade de Brasília (UnB) está prevista para a próxima segunda-feira (17/1). De acordo com a reitoria da instituição de ensino superior pública, é esperado que 15% das turmas tenham algumas atividades presenciais, como aulas ou avaliações.

Porém, o retorno presencial, mesmo que de forma parcial, tem deixado alunos, professores e servidores da instituição preocupados. Isso devido ao aumento repentino da taxa de transmissão da Covid-19 no Distrito Federal, que nessa terça-feira (11/1) chegou a 2,06, crescendo pela sexta vez seguida.

Com 4,2 mil casos, DF tem recorde de infecções por Covid em 24 horas

Carolyne Soares, estudante de Estatística da UnB, está no grupo de alunos apreensivos com as atividades presenciais.

A universitária matriculou-se em duas disciplinas que serão ministradas de forma remota, mas terão as avaliações presenciais. “Votei para que fosse [ensino] remoto porque ainda tenho muito medo do vírus, embora saiba que, no presencial, a experiência é outra”, diz a aluna do 5º semestre.

“Sei que [o presencial] é muito bom, mas não é seguro”, avalia Rayssa Brito, outra graduanda da UnB. “Acho que é algo consciente da UnB [não fazer o retorno presencial por completo]. Não é faculdade particular que tem banheiro com sabão, higienizado para todo mundo. Imagina com uma gripe, com um vírus”, diz.

A estudante do 2º semestre de Língua de Sinais Brasileira também acredita que a infraestrutura precária é um problema no retorno presencial. “Eu não me sentiria tranquila se voltasse [hoje]. As salas são abafadas, não tem ventilação, entrou muita gente no curso. Agora com Flurona (contaminação por Covid e gripe ao mesmo tempo), piorou tudo”, avalia.

Surto de Covid-19 dentro do campus

“Existe muita apreensão por parte dos servidores com relação ao retorno [presencial]”. É o que diz Maurício Sabino, diretor de imprensa do Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub).

Segundo o representante da categoria, diversos locais da universidade tornaram-se foco da doença. “Vários servidores contraíram Covid nas últimas duas semanas. A prefeitura de universidade é um [dos focos] deles”, garante.

Ele conta que na próxima semana o sindicato fará uma reunião interna para decidir de que forma essa preocupação com a volta será levada para a administração da UnB. A conversa se dará na próxima quarta (19/1).

Retorno seguro às aulas para DCE

Na contramão da reinvindicação de servidores e alunos da UnB, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) Honestino Guimarães defende a retomada das aulas gradualmente presenciais.

O diretório avalia que a educação a distância não garante a mesma qualidade de ensino para todos os estudantes, e que o modelo de aprendizado é excludente.

Nos últimos meses, a organização estudantil construiu, junto com os Centros Acadêmicos da UnB, uma plataforma política para avaliar o ensino remoto na universidade. Como resultado, foi escrita uma carta com 27 reinvindicações para que as aulas presenciais pudessem ser retomadas de maneira segura.

“Acredito que todas as etapas que vêm sendo tomadas estão sob o aval de muito estudo e [também] acredito que seja seguro a gente voltar”, afirma Beatriz Amorim, 21, uma das coordenadoras-gerais do DCE.

As principais medidas que precisarão ser asseguradas são:

  • Disponibilização de Equipamento de Proteção Individual (EPIs) para professores, estudantes, técnicos, colaboradores, fornecedores, motoristas, terceirizados e trabalhadores em geral;
  • Testagem em massa dos membros da comunidade acadêmica para frear o avanço da Covid-19 e do surto de gripe na UnB.

Beatriz, que está no 7º semestre de Ciências Sociais, também defende que essas reinvindicações servem para que os estudantes se sintam “minimamente seguros” nos espaços da universidade. Segundo a graduanda, vários colegas estão “desmotivados” em conciliar estudo e trabalho de maneira remota.

“A educação vem sendo muito prejudicada com a pandemia. O ensino presencial vai conseguir romper esta lógica”, argumenta.

Possível retração

Para Alexandre Bernardino, 57, diretor da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB), o contágio da nova variante da Covid-19 será o motivo que fará com que os alunos retraiam-se na volta presencial. “A gente acredita que deve ter um processo de retração. Tem uma possibilidade de contágio sem a 3ª dose da vacina. Fica mais complicado ainda”, avalia.

O também professor da Faculdade de Direito da UnB ainda defende a exigência do comprovante vacinal como forma de diminuir as preocupações. “Temos que ver o que vai ser discutido [sobre a a volta às aulas] e o que será implementado na próxima semana “, argumenta.

O passaporte de vacina será exigido neste retorno presencial para acesso ao Restaurante Universitário e à Biblioteca Central. Segundo pesquisa mais recente conduzida pela UnB, a cobertura vacinal atinge mais de 90% de toda a comunidade.

O que diz a reitoria

reitoria da instituição informa, por meio do decano de Graduação da Universidade de Brasília, Diêgo Madureira, que, por enquanto, será mantida a decisão do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da UnB sobre o retorno gradual e seguro das atividades acadêmicas. Também, que o Cepe se reúne regularmente e poderá alterar a decisão a qualquer momento conforme as circunstâncias.

Em relação ao quantitativo de turmas presenciais, frisou que a “presencialidade pode ser para todas as aulas, apenas algumas ou atividades específicas dentro do calendário acadêmico”.

Diêgo reforçou ainda que cada unidade acadêmica ficou responsável por definir quais atividades seriam retomadas presencialmente devido às especificidades de cada área. Para ele, no entanto, a revisão do Plano de Retomada das Atividades Presenciais ainda é possível.

Blogdopa e os previlegios da UNB.