Blogdopa, Plenário da CLDF recebe projeto que regulamenta educação domiciliar…

0
188
Se aprovado, o projeto permitirá que pais e familiares possam promover o ensino pedagógico de crianças e adolescentes em casa

 

A proposta, conhecida como homeschooling, está entre os itens da pauta da Sessão Ordinária Remota.

Os deputados discutem o tema desde 2019.

O primeiro projeto sobre assunto apresentado foi do deputado João Cardoso (Avante). A deputada Júlia Lucy (Novo) e o próprio GDF também encaminharam propostas semelhantes. O texto que está pronto para ser votado é um substitutivo desses projetos.
O Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF) tem se manifestado contra a proposta.“O Sinpro-DF é contra a educação domiciliar por vários motivos pedagógicos, científicos, e também por entender que, para além de inconstitucional, por ser matéria do Congresso Nacional, como determinou o Supremo Tribunal Federal (STF), fica claríssimo que setores minoritários da população querem usar o dinheiro público para criarem um feudo para seus filhos, sem convivência social, sem diversidade de raças, gênero, classes sociais, pluralidade de ideias, liberdade de cátedra”, afirma a diretoria colegiada do sindicato em nota.

 

Em 2018, o STF negou reconhecimento ao homeschooling. No entanto, em 2019, seis ministros – Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Rosa Weber, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Cármen Lúcia – consideraram que o ensino em casa poderia ser legitimado se houvesse lei elaborada e aprovada pelo Congresso Nacional determinando diretrizes para a prática.

A melhor internet de fibra óptica que atende Paranoá, Itapoã e região.