Blogdopa, Após ser acusada injustamente de furtar um par de chinelo em mercado do DF, idosa encontra se internada na UTI…

0
155

Segundo a família, a funcionária do caixa perguntou em voz alta se Milta de Jesus pagaria pelo par de chinelos que “havia roubado”. Ao checar imagens do circuito de segurança, os funcionários descobriram que a idosa era inocente, onde o par de chinelos foi presente de aniversário.

Milta de Jesus Oliveira, duas filhas e um neto faziam compras de itens para celebrar o aniversário da idosa, nesta segunda (30/11). Após a acusação, Milta sentiu-se mal e foi levada por familiares para uma unidade pública de saúde.
Segundo o relato da neta de Milta, Sandrine Oliveira, 29 anos, enquanto a família realizava as compras na Super Adega, no Jardim Botânico, surgiu o rumor de que uma pessoa calçara um par de sandálias e havia saído da loja sem pagar.
As características da autoria do furto informadas ao mercado eram da avó de Sandrine, que teria passado a ser monitorada pelos seguranças.
A compra totalizou R$ 600 e, no momento de efetuar o pagamento, a atendente abordou Milta de maneira brusca e a acusou de ter furtado os chinelos que ela usava, segundo a família.
Milta negou e reiterou que o calçado pertencia a ela. A própria Sandrine os comprou meses atrás. Outros clientes protestaram contra a abordagem e se formou uma confusão.
Ao conferir as imagens de câmeras de segurança, os funcionários constataram que Milta dizia a verdade, pediram desculpas e ofereceram água. Por causa do estresse emocional, Milta passou mal e queixou-se de dor no peito, ânsia de vômito e fadiga.
Por isso, a família a levou direto para a Unidade de Pronto-Atendimento de São Sebastião. “Acho que é um despreparo dos funcionários, as palavras que foram usadas. Acontece que esse despreparo resulta em uma fatalidade”, ressaltou Sandrine.
    Continua após a publicação

Confira as promoções da VLAN-TELECOM, a internet de fibra óptica que atende Paranoá, Itapoã e região.

Espera por UTI

Com um relatório médico atestando a gravidade do caso, a família começou uma romaria para conseguir vaga de UTI na rede pública de saúde. Devido à demora, os familiares entraram com uma ação na Justiça.
No relatório médico, o responsável pelo atendimento da idosa explica que a paciente, hipertensa, foi estabilizada com a ajuda de medicamentos, e aguarda na sala vermelha da unidade, onde ficam os casos graves.
Na madrugada desta segunda-feira (30/11), após dois dias, Milta foi transferida para um leito de UTI no Hospital Universitário de Brasília (HUB).
Durante a manhã, ela realiza um cateterismo a fim de evitar um infarto. “Agora, esperamos que ela fique bem e inicie o tratamento. Não há previsão de alta”, explicou a neta de Milta, Sandrine Oliveira, 29 anos.
     Continua após a publicação

   Limpe seu nome com rapidez e            segurança.

     Posição do supermercado

O caso aconteceu na Super Adega do Jardim Botânico. o supermercado afirmou que, desde o início, acompanhou e prestou os atendimentos necessários para Milta, além de conseguir uma vaga de UTI para a idosa. “Eles realmente conseguiram um leito para ela, mas, como a vaga do GDF saiu mais rápido, optamos por esta oferta”, confirma Sandrine.

Leia na íntegra o comunicado do Grupo Super Adega

Por meio desta nota oficial, o Grupo Super Adega vem prestar esclarecimentos acerca dos fatos ocorridos no dia 28/11/2020, por volta das 18h, na loja do Jardim Botânico envolvendo a Sra. Milta Jesus de Oliveira, nossa cliente. Em razão de comorbidades e doenças pré-existentes, a Sra. Milta teve um quadro de mal súbito após sentir-se constrangida por um de nossos colaboradores devido à ocorrência de fato isolado e também devido à sua idade.
O Grupo Grupo Super Adega informa que, tão logo tomou conhecimento dos fatos, por intermédio da Diretoria da empresa e da Gerência de RH, deu início a rigorosa apuração dos fatos e entrou em contato com a Sra. Sandrine, neta da nossa cliente. Após o contato, foi prestada toda a assistência psicológica, emocional e médico-hospitalar a fim de garantir que a Sra. Milta recebesse o melhor tratamento possível diante do ocorrido e tivesse acesso ao tratamento médico adequado e especializado para o quadro que apresentou.
Ressaltamos que sentimos muito pelos fatos relatados e, desde já, pedimos desculpa pelo ocorrido. A nossa empresa preza pelo bom relacionamento e gentileza com nossos clientes, é um grupo sério e não compactua ou incentiva qualquer tipo de ação ou omissão que possa causar constrangimento ou gerar situação discriminatória, vexatória, de injúria ou racismo aos nossos clientes.

blogdopa, o Portal Alfa fogo das notícias ao seu alcance e a fonte da SES.